Shalon’s

…em construção…SEMPRE!

A MELHOR RESOLUÇÃO DE ANO NOVO – A lista do que “DEIXAR DE FAZER”

 

Qual é A melhor resolução de Ano Novo (antes que ele chegue)? Não seria a lista do ‘Parar de fazer’

Cada vez que é Ano Novo me sento para fazer as resoluções anuais que me remetem de volta a uma lição que aprendi com um notável professor. Quando eu tinha quase 30 anos eu fiz um curso sobre criatividade e inovação com Rochelle Myers e Michael Ray na Stanford Graduate School of Business, e mantive contato com eles depois que me formei.
Um dia, Rochelle apontou para o meu altíssimo ritmo de trabalho e disse: “Eu percebo, Jim, que você é uma pessoa bastante indisciplinada”.

Fiquei confuso e chocado. Afinal, eu era o tipo de pessoa que definia cuidadosamente minhas principais metas, os três principais objetivos e ações para o início de cada Ano Novo e etc. Eu me orgulhava da capacidade de trabalhar incansavelmente para alcançar objetivos, a aplicação da energia que eu herdei de minha avó dava e sobrava para tudo isso e mais um pouco.

“Seu nível de energia permite sua falta de disciplina”, continuou Rochelle. “Em vez de levar uma vida disciplinada, você leva uma vida muito ocupada.”

Ela então me deu o que eu vim à chamar de princípio 20-10. É mais ou menos assim: Suponha que você acordasse amanhã e recebesse dois telefonemas. O primeiro telefonema dizia que você herdou $ 20 milhões, sem restrições nem regras. A segunda ligação diz que você tem uma doença incurável e terminal, e você não tem mais de 10 anos para viver. O que você faria diferente, e, especialmente:

O que você pararia de fazer?

Isso representou uma grande mudança na minha vida, e a lista do “parar de fazer” se tornou um marco nas minhas resoluções de Ano Novo –  uma maneira de pensar disciplinadamente sobre como alocar o mais precioso de todos os nossos recursos:

O tempo.

As palavras de Rochelle, obrigaram-me a ver o quanto eu tinha sido muito intenso, mas nas coisas erradas. Na verdade, eu estava no caminho totalmente errado.

Após a faculdade, eu estava empregado na Hewlett-Packard. Adorei a companhia, mas odiava o trabalho. As palavras de Rochelle me ajudaram a ver que eu estava talhado para ser um professor, um pesquisador, um professor – e não um executivo – e eu precisava fazer uma curva em ângulo reto, uma mudança brusca.

Eu tive que parar trabalhar na minha carreira para poder encontrar a minha verdadeira vocação. Eu pedi demissão da HP e fui para a Stanford Business School onde me tornei professor, felizmente labutando na minha pesquisa e escrita.

A lição de Rochelle, me veio a memória alguns anos mais tarde, enquanto, tentando analisar os dados de uma pesquisa em 11 empresas que transacionaram com sucesso da mediocridade à excelência, de boa a ótima. Na etapa de catalogação, uma das etapas-chave nessa pesquisa da transição, minha equipe de pesquisa e eu estavamos impressionados com a quantidade de empresas onde as grandes decisões não eram o que fazer, mas que parar de fazer.

O caso, talvez o mais famoso, foi o de Darwin Smith, da Kimberly-Clark – um homem que havia sobrevivido a um câncer de garganta que disse um dia a sua esposa: “Eu aprendi algumas coisas com o meu câncer. Mas talvez a mais importante delas tenha sido: Se você tem um câncer no braço, você tem que ter a coragem de cortar o braço. Eu tomei uma decisão: Vamos vender as fabricas”.

Na época, a Kimberly-Clark tinha a maior parte das receitas advindas do negócio tradicional de papel. Mas Smith começou fazendo três perguntas importantes: Será que estamos apaixonados pelo negócio do papel? Podemos ser os melhores do mundo? O negócio de papel é o que melhor direciona nosso potencial de lucro?

A resposta veio: não, não e não.

E assim, Smith tomou a decisão de parar de atuar no ramo de papel e começou o processo de venda de equipamentos e estruturas que representavam 100 anos de sua história empresarial – e jogar todos os recursos resultantes para o negócio de bens de consumo (construção de marcas tais como Kleenex), e então vieram sim, sim e sim como resposta para as mesmas perguntas.

O Ano Novo é um momento perfeito para começar a fazer uma lista do que parar de fazer e fazer desta lista a pedra angular suas resoluções de Ano Novo, seja para sua empresa, sua família ou para si mesmo. Ele também é um momento perfeito para esclarecer esse três pontos. Focando no nível pessoal as três perguntas feitas por Smith são as seguintes:

1) O que você faz com profunda paixão?
2) O que na rotina você foi criado para fazer e o que você está fazendo por fazer?
3) Quais das suas vocações tem um potencial de resultado econômico para sua vida?

Aqueles que encontrarem ou criarem uma intersecção prática desses três pontos tem uma boa base para o trabalho e para a vida.

Se você fizer um inventário de suas atividades, hoje, qual o percentual do seu tempo está fora desses três pontos?
Se for mais de 50%, então lista do “parar de fazer” pode ser sua ferramenta mais importante. A pergunta é: Será que o bom está suficiente ou você tem coragem de vender as fábricas?

Olhando para trás, vejo agora Rochelle Myers como uma das poucas pessoas que eu conheço que conseguem gerir de maneira nobre a sua vida enquanto realizam um trabalho verdadeiramente gratificante. Isso resultou em grande parte de sua simplicidade notável.

Uma casa simples. Uma programação simples. Um quadro simples para seu trabalho.

Rochelle me falou várias vezes sobre a idéia de “fazer da sua vida uma obra de arte criativa”.

Uma grande obra de arte é composta sim pelo que fica pronto na parte final, mas o que vem antes da conclusão é igualmente importante.

É a disciplina para descartar o que não se encaixa, para cortar fora o que pode ter custado dias ou mesmo anos de esforço, o que distingue o artista verdadeiramente excepcional e que marca a parte fundamental do trabalho; seja ele uma sinfonia, um romance, uma pintura , uma sociedade ou, o mais importante de tudo, uma vida.

FELIZ ANO NOVO!

Traduzido e adaptado por Shalon Lages de Best New Year´s Resolution and “Stop doing list”(J. Collins)

Jim Collins é autor de Good to Great e co-autor de Built to Last

Anúncios

25/11/2010 Posted by | Liderança, Textos | 1 Comentário

As Fases do Esgotamento pelo Stress no Trabalho/Estudo

O Stress é uma das mais terríveis manifestações existentes pois seus sintomas podem gerar um número enorme de doenças, tanto físicas quanto psíquicas, podendo ter efeitos desastrosos na família, relações sociais, trabalho e saúde.

Um profissional de qualquer área, principalmente das que exigem maior responsabilidade ou maior volume de trabalho, está fortemente sujeito aos maléficos efeitos do stress. Estes podem ser facilmente percebidos em um grande número de profissionais de várias áreas como TI, gerencia, CEO, empresários, empreendedores e etc. Funções que exigem grande responsabilidade e por isto grande pressão podem ser uma potencial fonte de stress. Contudo, mesmo profissionais com cargas de trabalho menores ou funções consideradas menos estressantes podem adquirir stress. Tudo depende de como nos relacionamos com nosso trabalho.

Segundo os pesquisadores Herbert Freudenberger e Gail North, o esgotamento profissional não ocorre da noite para o dia, mas é um processo gradual. Sendo assim eles dividiram o processo de esgotamento em 12 estágios (a ordem em que aparecem no texto não necessariamente é a ordem em que se manifestam nas pessoas).

  1. Necessidade de se afirmar
    No começo, verifica-se com frequência uma ambição exagerada. Ãnsia por fazer as coisas, interesse e desejo de se realizar na profissão transformam-se em obstinação e na compulsão por desempenho. É preciso provar constantemente aos colegas – e, sobretudo, a sí mesmo – que faz o trabalho muito bem e que é plenamente capaz.
  2. Dedicação intensificada
    Para fazer juz às espectativas desmedidas, vai-se um pouco além e se intensifica a dedicação. Delegar tarefas torna-se cada vez mais difícil. Em vez disto, predomina o sentimento de que tem de fazer tudo sozinho, até para demonstrar que é imprescindível.
  3. Descaso com as próprias necessidades
    Práticamente todo otempo disponível é reservado para a vida profissional. Outras necessidades, como dormir, comer ou encontrar-se com amigos são descvartadas como fúteis. Atividades de lazer perdem o sentido. A pessoa justifica para sí mesma a renúncia como desempenho heróico.
  4. Recalque de conflitos
    Percebe-se que alguma coisa não vai bem, mas não se enfrenta o problema. Confronta-lo pode deflagrar uma crise e, por isso, o problema é visto como uma ameaça. Os primeiros problemas físicos começam a aparecer.
  5. Reinterpretação dos valores
    Isolamento, fuga dos conflitos e negação das próprias necessidades modificam a percepção. O que antes era importante, como amigos ou passatempo, sofre uma completa desvalorização. A única medida da própria relevância e da auto-estima é o trabalho. Tudo o mais é subordinado a esse objetivo. O embotamento emocional é visível.
  6. Negação de problemas
    O principal sintoma desta fase é a intolerância. Os outros são percebidos como incapazes, preguiçosos, exigentes demais ou indisciplinados. Predomina o sentimento de que os contatos sociais são quase insuportáveis. Cinismo e agressão tornam-se mais evidentes. Eventuais problemas são atribuidos exclusivamente à falta de tempo e à jornada de trabalho, e não à transformação pela qual se está passando.
  7. Recolhimento
    Os contatos sociais são reduzidos ao mínimo. Vive-se recolhido, com a crescente sensação de desesperança e desorientação. No trabalho, “faz-se estritamente o necessário”. Nesta fase, muitos recorrem ao álcool ou às drogas.
  8. Mudanças evidentes de comportamento
    Agora, é impossível para os outros não perceber a transformação pessoal. Os outrora tão dedicados e ativos revelam-se amedrontados, tímidos e apáticos. Atribuem a culpa ao mundo à sua volta. Interiormente sentem-se cada vez mais inúteis.
  9. Despersonalização
    Nesta fase, rompe-se o contato consigo próprio. Ninguém mais parece ter valor, nem o próprio afetado nem os outros, as necessidades pessoais deixam de ser percebidas. A perspectiva temporal restringe-se ao presente. A vida é rebaixada ao mero funcionamento mecânico.
  10. Vazio interior
    A sensação de vazio interior é cada vez mais forte e mais ampla. A fim de superá-la, procura-se nervosamente por atividades. Surgem reações excessivas, como intensificação da vida sexual, alimentação exagerada e consumo de álcool e drogas. Tempo livre é tempo vazio, entorpecido.
  11. Depressão
    Aqui, sindrome do esgotamento equivale a depressão. A pessoa se torna indiferente, desesperançada, exausta e não vê perspectivas. Todos os sintomas dos estados depressivos podem se manifestar, desde a agitação até a apatia. A vida perde o sentido.
  12. Síndrome do esgotamento profissional
    Este estágio corresponde ao total colapso físico e psíquico. Quase todos os afetados pensam em suicidio e não são poucos os que a ele recorrem. Pacientes neste estado constituem casos de emergência: precisam de ajuda médica e psicológica o mais rápido possível.

Tendo em vista os doze estágios listados acima cabe ao profissional avaliar com profunda sinceridade seu estado atual. Permanecer em um estado de stress constante pode, além dos efeitos citados anteriormente, inclusive comprometer seriamente a qualidade do trabalho e seu rendimento.

Apesar das exigências modernas pela velocidade e produtividade é necessário avaliar nossos limites físicos e psíquicos para que o trabalho ou a vida profissional, acima de tudo, tenham qualidade, peça fundamental nas empresas modernas.

22/11/2010 Posted by | Textos | 2 Comentários